Bom. No meu primeiro post, ou seja, no texto de abertura do Blog Futebol s/ Frescura, pareci um tanto quanto conformado com o elenco que Dunga nos apresenta para a Copa do Mundo 2010. Talvez minha veemência em negar o Ronaldinho Gaúcho tenha invadido as outras raízes da minha razão, e me fez esquecer que ao negá-lo, eu não teria, necessariamente, que concordar com tudo. Alguns nomes, para mim, não cabem no time titular… Felipe Melo, Michel Bastos e Gilberto Silva estão bem abaixo da competência mínima necessária para vestir a amarelinha; mas como pedir a saída de todos eles seria incoerente, devemos mudar, pelo menos, alguma coisa no time titular.

Certo que essa minha pedida é apenas uma opinião. Tenho certeza que o treinador Dunga sequer convocará a maioria dos jogadores que eu aqui expuser. É apenas uma opinião, mesmo. E tenho certeza que todos esses  jogadores, juntos, podem se encaixar no conceito do nosso treinador e formar um time titular  muito mais competitivo:

Três goleiros são demais, mas se é de praxe (ou obrigatório? Não sei), deveríamos esquecer o Arqueiro Doni. O Goleiro da Roma não tem a competência necessária para assumir a “1” amarelinha, e isso já foi comprovado tanto Brasil, quanto na Europa. Além de Victor e Júlio, vale a pena apostar no goleiro Bruno, do Flamengo, que é, claramente, muito melhor que Doni, e que pode utilizar a Copa do Mundo para aprender e se tornar uma pessoa e um goleiro melhor, assim como aconteceu com Júlio César em 2006. Bruno não pode ser desperdiçado; devemos ensiná-lo a calma, o raciocínio antes da ação e o convívio em grupo. Ele deve ser trabalhado para defender o Brasil em 2014.

Marcelo, Lateral-Esquedo do Real Madrid. O Drama para se escolher um lateral-esquerdo que consiga defender com honra a camisa da Seleção é até engraçado. Foi-se a época que não tínhamos lateral-direito e que éramos obrigados a engolir Cafú (e no final de cada Copa vinha a certeza de que ele era o melhor de todos. Menos 2006). Bom, voltando ao assunto: realmente nenhum lateral esquerdo jogou bem até agora; nenhum deles foi sólido no ataque e na defesa ao mesmo tempo; o pessoal tentou engolir o André Santos mas no fim viram que ele é craque para série B, e não jogador de Seleção para Copa. O mais óbvio (e correto) a se fazer é apostar no Marcelo. Ele não foi bem, assim como todos os outros, mas é evidente que Marcelo é um jogador muito mais inteligente, mais criativo, mais ousado do que os outros. Resumindo: é mais jogador do que seus ”adversários”, e deveria ser convocado. Kléber, Michel Bastos, Juan, André Santos e Roberto Carlos seriam apostas infelizes para a camisa amarelinha número seis.

Bom pessoal, essas duas últimas são minhas dicas mais racionais ao treinador Dunga. Os dois outros que faltam têm menos chances ainda para defender o Brasil no Campeonato Mundial. Mas irei organizá-los num mesmo pacote, pois tenho a mesma justificativa para a convocação de ambos: A falta de um reserva. Imagine só vocês, que Kaká, dono de uma lesão eterna no púbis, se machuque ou seja suspenso em algum dos jogos da Copa. Quem irá substituí-lo no(s) jogo(s) seguinte(s). É pessoal, por mais que seja um questionamento bastante comum, muitos pesam que a resposta também é comum. Ronaldinho. Eu já não compartilho desse pensamento. Eu acho que o meia armador Diego, da Juventus, seria um ótima opção no banco do Dunga: talentoso, marcador, bom em bolas paradas, rápido, bom passe e ótimo finalizador.Muitos dizem que o time da Juve não anda por causa dele, mas não é verdade: ele que não anda por causa do time da Juve (mas deixemos esse assunto para uma outra hora).

Outra coisa que me preocupa é o reserva de Robinho. Eu realmente não engulo o fato do Nilmar ter tanta moral com a Imprensa. Acho-o um jogador muito bom, mas sem alguma característica marcante, e muito sem sal para substituir um jogador criativo, quase mágico. É preciso de outro jogador com essas características, que entre em campo e faça com que os  nossos adversários o percebam como o próprio Robinho (ou até, quem sabe, como uma versão melhorada dele). A minha dica é Neymar. Só trocar umas letrinhas.

Anúncios

Nessa quarta-feira de cinzas (e não me pergunte o porquê), Flamengo e Botafogo se enfrentam para decidir quem duelará com o Vasco da Gama na finalíssima da Taça Guanabara 2010. São dois extremos, no papel e na prática: o flamengo tem um time forte, com a base sólida do esquadrão que conquistou o título brasileiro no ano passado; e conta ainda com o reforço de um dos melhores atacantes do futebol brasileiro, o Lovinho. O time não se apresentou bem durante a Taça Guanabara, principalmente sua zaga, mas o peso de Adriano, Love e Petkovic parece capaz de assustar qualquer adversário; se engoliu o Fluminense, o que não fará com o bichinho arredio chamado Botafogo? É, o Botafogo. Tão empolgado, coitado, no começo do ano, com a chegada de Herrera, Marcelo Cordeiro e El insano Abreu. Começou o campeonato carioca contra o Macaé, e os 3×2 conquistados enganaram a razão do torcedor botafoguense, que mais tarde queimaria camisa ao ver a goleada de 6×0 para o ”arrumadinho” Vasco da Gama. O Botafogo sofre uma crise de ”timepequenismo” que já dura 14 anos. Nem em 2007, tempo em que jogava o melhor futebol no Brasil, essa crise se escondeu; muito pelo contrário: apareceu na hora “H” e tirou o time de General Severiano da Libertadores e da Copa Sul-Americana.

Os próprios botafoguenses vêem uma vitória quarta-feira como milagre. Apenas uma retranca muito bem elaborada pelo ”estrategista” Joel Santana, e o oportunismo de El louco e Herreira, serão capazes de deter a fúria do Campeão Brasileiro. Torcedores do Vasco já estão amedrontados com o jogo de Domingo (contra o Flamengo). A eles eu digo: Se acalmem! A superioridade do Flamengo é evidente, mas eu não tenho 100% de confiança na vitória rubro-negra; tenho uns 70%. E 30%, cá entre nós, é coisa à beça. Não é apenas uma questão fanática de torcer contra o maior rival, nem tenho muito disso. É apenas uma questão de dados passados, gente! Vamos lembrar: Quantas vezes, com o elenco bem mais fraco, o time do flamengo conseguiu derrotar o Vasco numa final de campeonato carioca? Não foram poucas. O Fluminense, em 1999 e 2000, em tempos em que era apenas um time de segunda divisão, conseguia dar muito trabalho aos outros grandes do rio, inclusive eliminando o Vasco de Edmundo na Copa do Brasil, em pleno São Januário. Mais tarde, no mesmo ano, Fluminense, muito limitado, e o campeão Vasco realizaram uma batalha épica que terminou em 4×3 para o time da colina histórica. O Americano de Campos não vivia vencendo todo mundo? Vem me dizer que eles tinham mais elenco que Flamengo, Vasco, Botafogo e Fluminense? E o Voltaço em 2005, jogando uma bola redondinho com um time composto de jogadores de talento comprovadamente duvidoso. Não. Futebol é dia.

E já que a quarta-feira não vai ser do Salgueiro; que vença a Estrela Solitária.

Vídeos do Post

Flamengo perde para Resende na semi-final da última Taça Guanabara

Fluminense elimina Vasco da Copa do Brasil de 2000

Botafogo 3×0 Flamengo em 2008 pela Semi-Final da Taça Rio de Janeiro